29 de jun de 2012

Pinzer - Ancoragem temporária de cordas fixas em portas.



Descritivo Técnico



Dispositivo temporário para ancoragens de emergência em portas fabricado em aço. Pode ser conectado em portas de até 45 mm de espessura. Apresenta orifícios em sua empunhadura para conexão com um mosquetão para pendurá-lo durante o transporte. Apresenta canaleta para inserção de cordas de 9 a 13 mm de espessura com molas laterais que impedem a saída da corda. 


   




Resistência estática: 12 kN. 
Dimensões: 156 mm de comprimento, 78 mm de largura e 43 mm altura. 
Peso: 150 gramas. 













Para saber mais acesse: www.guiavertical.com

11 de mai de 2012

Nó é culpado pela morte de Alpinista


Um juiz britânico decidiu que o nó bolina ou o conhecido lais de guia, é a culpa pela morte de David Rothman, de Bredon, Inglaterra. Em 7 de novembro, Rothman, um alpinista de cerca de 50 anos, separado da sua corda e caiu de 30 pés no chão, no ginásio do Armazém escalada em Gloucester. De acordo com Rothman, Tony Raphael, Rothman desprendeu da corda antes de cair no chão do ginásio. Outro parceiro de escalada, Olga Greenslade, afirmou que Rothman não estava mais amarrada a corda quando ele caiu. A investigação de acidentes se concentrou em como Rothman poderia ter vindo desprender da corda. Concluiu que, porque não havia bight deixado na corda, como não teria sido teve Rothman ligada a um nó oito, foi amarrado com um nó lais de guia, e amarrou-o incorretamente, ou apenas parcialmente, e negligenciado o back-up do nó. A investigação também observou que havia Rothman feito um backup do nó, ele provavelmente não teria caído. No entanto, o relatório final incorretamente afirmou que um nó lais de guia devidamente amarrado pode escorregar e se solta.



Muitos alpinistas utiliza o nó lais de guia ou bolina como é conhecido na europa, eles ultilizam de forma mais correta, um nó com duas voltas ou duplo, devido à sua facilidade de desvinculação após ter sido esticado em uma queda. No entanto, o nó se torna mais complexo é fácil de amarrar incorretamente e mais difícil de verificar visualmente do que o outro nó comum, o nó e se for deixado solto e não feito o backup, pode desatar-se. O acidente de Rothman não foi o primeiro atribuído a esse nó. Em 2010, um alpinista morreu em um ginásio em Stockport, na Inglaterra, quando seu nó também soltou. Em junho de 2009 um alpinista em Coby Cooper, Texas, caiu quando o nó veio se desfazer. Como resultado das duas mortes no Reino Unido, pelo menos, um ginásio, Boulder em Cardiff, proibiu esse nó apenas permite que o nó oito seja utilizado.


Para saber mais acesse: www.guiavertical.com

1 de mai de 2012

Recuperación para sustitución del GRIGRI 2

Pagina nueva 1

Recuperación para sustitución del GRIGRI 2
Afecta a las referencias D14 2O, D14 2G, D14 2B, cuyas 5 primeras cifras
del número de serie estén comprendidas entre el 10326 y el 11136

 

Información


Petzl ha constatado que ejerciendo una fuerza excesiva sobre la empuñadura
del GRIGRI 2 cuando está totalmente abierta, puede deteriorarla y provocar
su bloqueo en posición abierta.


 

Cuando la empuñadura queda bloqueada en esta posición, se anula el
funcionamiento del frenado asistido del GRIGRI 2.
En esta situación, el GRIGRI 2 funciona como un aparato de aseguramiento
clásico (como un ocho o una placa de freno).


Cuando se utiliza un GRIGRI 2 con la empuñadura bloqueada en posición
abierta (como se puede ver en la imagen) , si no se sujeta la cuerda lado
frenado, se aumenta el riesgo de un descenso descontrolado. Deje de
utilizar un GRIGRI 2 con la empuñadura deteriorada.
Es importante señalar que sujetar la cuerda lado frenado es indispensable
para la utilización correcta del GRIGRI 2 (consulte la ficha técnica del
GRIGRI 2).


Hasta el 20/06/2011, nos han sido devueltos 7 productos deteriorados a
través de nuestra red internacional de distribución; no tenemos constancia
de ningún accidente debido a una empuñadura deteriorada del GRIGRI 2.

 

Respuesta de Petzl


Como que la seguridad de nuestros clientes es nuestra principal
preocupación, hemos tomado las siguientes medidas como precaución:
- Reforzar la resistencia mecánica de la empuñadura en todos los GRIGRI 2
(efectiva a partir del número de serie que comienza por 11137).
- Recuperar todos los GRIGRI 2, cuyas 5 primeras cifras del número de
serie estén comprendidas entre el 10326 y el 11136, para sustituir por un
GRIGRI 2 nuevo ya modificado. Petzl se hará cargo del coste de los portes
que se deriven de esta recuperación.
La versión anterior del GRIGRI no está afectada por esta recuperación de producto.

 

 

 

 

«Aunque el riesgo potencial de deterioro de la empuñadura sea muy bajo,
nuestro compromiso con la seguridad de los usuarios nos lleva a tomar esta
decisión de recuperación de producto. Petzl es perfectamente consciente
de las molestias que pueda causar esta decisión en plena temporada de
escalada. Por este motivo hemos movilizado todos nuestros efectivos para
que se pueda llevar a cabo la sustitución de su GRIGRI 2 con la máxima
rapidez. Gracias por la confianza que siempre ha depositado en nosotros.»
 

 

 

Romain Lécot
Director general

 

 

Si posee un GRIGRI 2, referencias D14 2O, D14 2G, D14 2B, cuyas
5 primeras cifras del número de serie estén comprendidas entre el
10326 y el 11136, póngase en contacto con su distribuidor Petzl por
email, indicando su nombre y dirección postal, para proceder a su
sustitución.

 

Fonte: http://www.petzl.com/files/fckfiles/image/news/sport/produits/GRIGRI2/Recall-GRIGRI2/GRIGRI2-PUBLIC-RECALL-ES.pdf

23 de abr de 2012

Mosquetão desgastado corta corda de escalada.



Em um ginásio de escalada em Praga mosquetões fortemente desgastado cortou uma corda de escalada quase nova. Outra razão para verificar o seu equipamento de escalada em uma base regular.





Em 30 de Março, a Comissão de Segurança da Associação Tcheca de Montanhismo (CHS) para informar sobre o acidente. Em um ginásio de escalada em Praga que um alpinista caiu logo acima do primeiro gancho. Aqui, os mosquetões fortemente desgastadas havia cortado completamente a primeira amarração da corda. O escalador felizmente nada aconteceu. As ranhuras no mosquetão causada pelo desgaste, havia desenvolvido arestas que cortou a corda.




De acordo com o proprietário da corda, a mesma era quase nova e veio a partir de um fabricante conhecido. A altura da queda foi de 1,60 metros, como foi indicado Sturzfaktur 0,57. O escalador pesava 80 kg, e a corda tinha uma espessura de 11 mm.

De acordo com os CHS este acidente mostra que não só o mosquetao do último ponto de backup, tem o anglo acentuado, mas expressa da primeira chapeleta também. Mesmo aqui, a corda é ligeiramente desviada (ver figura) causando um atrito maior com a corda formando aresta causada pelo desgaste. Portanto, deve-se verificar seus equipamentos regularmente. Se as expressas ou mosquetoes têm sulcos fortes com bordas afiadas, você deve substituí-lo




Para saber mais acesse: www.guiavertical.com

4 de abr de 2012

Fator de queda

- Algumas verdades básicas, matemática simples e senso comum

    Legal, você está escalando sua corda e seu baudrier são seguros, a ancoragem é à prova de bomba e você se sente seguro. A idéia de uma queda não te preocupa. Tudo está perfeito.
    Talvez. Mas toda queda cria uma enorme quantidade de energia. Nós somos criaturas relativamente grandes e a gravidade é uma força formidável - qualquer pessoa que já tenha segurado uma queda pode confirmar.
    E mais. A força de impacto de uma queda é transmitida através de todo seu sistema de segurança e é aproximadamente dobrada no ponto de ancoragem. Assim, todos os elementos envolvidos no sistema devem sustentar o impacto sem falhar se a sua queda for lhe causar nada mais que arranhões e hematomas.

- O fator de queda

    Muitos escaladores não entendem realmente o conceito de fator de queda, apesar de ser bastante simples.
    O fator de queda é simplesmente a distância da queda dividida pelo comprimento da corda do desde o ponto fixo até o escalador que cai.
    Fator de Queda = Q
    Q = Altura da queda livre / comprimento da corda utilizada



O fator de queda 2 é o máximo que você deveria encontrar numa típica queda, haja visto que o comprimento de uma queda não pode exceder 2 vezes o comprimento de corda utiliizado. Normalmente um fator de queda 2 pode ocorrer apenas quando o líder da cordada não se utiliza de pontos de proteção e, ao cair, passa do ponto onde está recebendo segurança. A partir do momento que uma proteção é feita, a distância da queda, em função do comprimento da corda, é reduzida e o fator de queda cai abaixo de 2.

- Sua vida depende da elasticidade da corda
    O fator de queda é um dos elementos que governam a força de impacto. Os outros dois são a natureza da corda e o peso do objeto que cai. No caso, você.
    Obviamente, a única parte desta equação que pode reduzir a força de impacto de qualquer queda é a elasticidade das cordas dinâmicas. Desta forma os sistemas de segurança para escaladas são desenhados ao redor da qualidade de absorção de impacto das cordas dinâmicas. Isso amortece a queda, reduzindo a força de impacto e a chance de falha do sistema. As corda dinâmica é desenhada para limitar a força do peso de um escalador (80kg) no pior caso de queda (fator de queda 2) para não mais que 12kN (1200kg). Assim, o resto do equipamento pode ser desenhado para trabalhar com essa força máxima conhecida.
    Obviamente, quanto mais corda utilizada, mais elasticidade para absorver a queda. Isto explica porque uma queda de 4 metros em fator 2 desenvolve aproximadamente a mesma força de impacto - 9kN (900kg) - que em uma queda de 20 metros, presumindo que uma corda dinâmica obedeça os padrões da U.I.A.A. . Assim, o aumento da queda (e da força de impacto desenvolvida com ela) é compensado pelo comprimento de corda disponível que a amortecerá.

- Você não tira elasticidade de uma corda estática
    Cordas estáticas - Tradicionalmente mais usadas em espeleologia e resgates e agora também em rapéis esportivos e mesmo em academias de escalada, são desenhadas minimizar a elasticidade (espeleologistas odeiam se sentir como iô-iôs). Então, sua capacidade de absorver impacto é insignificante, particularmente ao longo de pequenos comprimentos de corda.
    E mais. As cordas estáticas não são bem definidas pelos códigos da indústria, como as cordas dinâmicas são. Assim, elas variam em elasticidade de acordo com o fabricante e o país de origem. Elas são, geralmente, tão estáticas quanto um cabo e transmitem virtualmente toda a força de impacto ao sistema de segurança e ao corpo do escalador. E, em uma escalada, uma queda extremamente pequena pode desenvolver força suficiente para ser crítica.

- Fitas e cordeletes são como cordas estáticas
    Usados para segurança, sem uma corda dinâmica, cordeletes são tão perigosos como cordas estáticas. Uma queda em fator 2 desenvolve força de impacto suficiente para haver risco de falha do cordelete, baudrier e mosquetões, sem mencionar os grandes danos ao esqueleto do escalador.
    Por exemplo, uma pequena queda de 1,2 metros num cordelete ou numa corda estática, desenvolve 18kN (1800kg), mais do que suficiente para quebrar o baudrier e/ou o escalador.
    Tendo em mente que o corpo humano só pode suportar, por um curto instante, a força de impacto de 12kN (1200kg) sem sérios riscos de dano, você não vai desejar absorver em torno de 18kN. E você deveria saber que 18kN está muito próximo ou acima do limites mínimos prescritos pela U.I.A.A. em todo o equipamento no seu sistema de segurança. Aqui eles estão para o propósito de comparação:
  • Ancoragem (pontos de proteção) - 25kN (2500kg)
  • Mosquetões - 20kN (2000kg)
  • Fitas - 22kN (2200kg) - 15kN (1500kg)
  • Baudrier
- Entretanto, até o mosquetão...
    A física não é nossa amiga em uma queda. A mesma vantagem mecânica que usamos em roldanas, trabalha contra nós quando estamos no final de uma corda. Porque no ponto onde a corda retorna, normalmente em um mosquetão, a força da queda é aumentada em aproximadamente 66% (seria dobrada se não fosse o atrito da corda com o metal).
    Então, começando com a nossa máxima força de impacto de 9kN (900kg) com uma corda dinâmica, a força no mosquetão torna-se 15kN (1500kg) em uma queda de fator 1,9. Isso é muito. É melhor que você deseje que se trate de uma boa ancoragem.
    Agora aplique a mesma matemática para uma corda estática. O fator de queda 1,9 com sua força de impacto normal de 18kN (1800kg), torna-se uma força de impacto de 30kN (3000kg - multiplica-se 18kN por 1,66). Neste caso você não ficaria para ‘contar estória’. E não importaria se a ancoragem agüentasse porque alguma outra coisa iria, sem dúvida, falhar.

- O cabo mortal ou a situação da ‘Via Ferrata
    A ‘Via Ferrata ’ está se tornando cada vez mais popular na Europa. É uma escada metálica com um cabo lateral. Isto encouraja turistas a escalar. Você se prende com uma fita ao cabo ou com o rabo de uma vaca (daria no mesmo).
    O problema disto ou qualquer cabo, vertical ou oblíquo, é que a queda pode desenvolver uma força de impacto bem acima do fator 2. Se escorregar você irá cair até a próxima ancoragem e, se você não estiver próximo a ela, a força será enorme. E acima do fator 2, nada é garantido. Nem os mosquetões, nem o baudrier, nem as fitas e nem mesmo uma corda dinâmica.
    A resposta para a ‘Via Ferrata ’ é: um dispositivo para absorção de impacto desenhado para forças acima de fator de queda 2. E a lição é: não confie em um mosquetão correndo por um cabo. Isso pode parecer seguro; mas não é.
    Bem, esta foi nossa pequena história de hoje. Como é dito em nossas camisas, "a lei da gravidade é cumprida rigorosamente" e, quando você toma o lado errado desta lei, a punição é negociada em força de impacto.

Escale seguro
PETZL

Obs.: A "Via Ferrata " é equivalente ao "Paredão Cepi " no Pão de Açúcar.


Traduzido e adaptado da revista Rock + Ice - nº 66 TEL 1-800-282-7673
por Luciano Bender da Silva


Para saber mais acesse: http://www.guiavertical.com/





17 de mar de 2012

Tirolesa Expo Umuarama 2012




Um pequeno resumo do que foi a tirolesa Expo Umuarama 2012, estamos editando todas imagens ...aguardem, evento realizado pelas empresas Guia Vertical - http://www.guiavertical.com/ e ADN Multipla.  

20 de fev de 2012

Projeto Expo Umuarama 2012

A equipe do Guia Vertical, esta trabalhando em mais um projeto, Tirolesa Expo Umuarama,

A construçao da Tirolesa com aproximadamente 200 mtrs, esta a todo vapor, estamos correndo para entregar até o dia 25/02, bora trabalhar,,,,


14 de jan de 2012

Como estaiar uma torre.

Exemplo de uma torre estaiada de 24 mts.

Alguns cuidados quanto a instalação da TorreNo caso de se instalar um para-raio, o cabo de descida do
mesmo deve ser isolado da torre.


Torres acima de 15 metros devem ser sinalizadas com
lâmpada de topo conforme Normas da Força Aérea.


Nos estaios pode-se usar cordoalha de aço ou cabo de aço.

Usar esticadores p/ esticar os estaios e balizar a torre.

Não ligar o aterramento dos equipamentos ao terra do para-raio.

Não fixar os estaios em árvores e também evitar fixá-los em
muros fracos ou pontos não confiáveis.


Para Saber mais acesse: www.guiavertical.com